Planeta ou não: eis a questão!

Quantos planetas existem no Sistema Solar? A resposta para essa pergunta pode parecer simples, mas para quem começou na escola antes de 2006, como eu, o risco de dar uma resposta incorreta é muito grande. Isso porque, na nossa época de escola, eram considerados 9 planetas formando o Sistema Solar. Além dos oito atuais (Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), nós tínhamos um velho conhecido: Plutão.
 
Atualmente classificado como um “planeta-anão”, Plutão foi descoberto em 1930 pelo astrônomo norte-americano Clyde W. Tombaugh e até 2006 era considerado o maior corpo celeste depois de Netuno, sendo o menor dos planetas do Sistema Solar, com apenas 0.02 vezes a massa do planeta Terra.
 
Porém, com o avanço das técnicas e dos equipamentos de observação, corpos cada vez mais distantes puderam ser observados. Quando um corpo maior que Plutão (e com formato esférico!!!) foi descoberto em 2005 – Eris – um intenso debate sobre a classificação desses corpos recém-descobertos começou. Por fim, em 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) decidiu que era necessário uma definição concreta do que chamaríamos de planeta: o corpo deveria ter forma esférica, orbitar o Sol e ser o maior corpo na sua órbita. Plutão preenche os dois primeiros requisitos, mas falha no terceiro.
 
Por ter uma órbita muito excêntrica, a órbita de Plutão cruza a de Netuno em dois pontos, então ele não pode ser considerado o maior astro da sua órbita durante todo o seu período de translação. Além disso, por não ser muito maior do que os outros objetos ao seu redor, ele não consegue destruir ou atrair com eficiência qualquer corpo que venha a ficar na sua órbita. Para agrupar esses objetos que se parecem tanto com planetas, a UAI criou uma nova categoria para os corpos celestes: planeta-anão, onde Plutão e outros quatro corpos atualmente fazem parte. Plutão deixou de ser planeta. Fim de papo.
 
Mas será o fim mesmo? Como vocês perceberam, a definição do que é ou não planeta depende da nossa concepção sobre o conceito. Pensando nisso, os astrônomos da universidade de Harvard reviveram a discussão chamando os astrônomos Dr. Owen Gingerich, membro da comissão da UAI para definição de planeta, Dr. Gareth Williams, diretor associado do Centro de Pequenos Corpos e Dr. Dimitar Sasselov, diretor da Iniciativa de Origem da Vida de Harvard, para um debate não oficial sobre a definição de planeta e o retorno de Plutão à categoria. Com 2 votos a favor e 1 contra, o resultado do debate, que contou inclusive com a participação do público, decidiu pelo retorno de Plutão ao status de planeta.
Como o debate não foi oficial, por enquanto, Plutão continua o nosso mais conhecido planeta-anão e nosso sistema ainda tem 8 planetas. Mas fiquem alerta, pois a resposta definitiva para a pergunta fundamental ainda não foi dada: planeta ou não planeta? E aí, o que vocês acham?
 
Carolina Assis, astrônoma do Museu Ciência e Vida.
Para aprender mais sobre astronomia, o Museu Ciência e Vida oferece Sessões de Planetário. Para agendamento escolar, ligue para 2671-7797. Temos sessões abertas ao público também aos sábados e domingo, às 14h e 15h